CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS

quinta-feira, 31 de março de 2011

Errando



É errando que se aprende 
Que errar não é o suficiente 
E se cobra a correção dos erros, 
Que são louvados só os acertos, 
Que a vida não tem dó da gente; 
Que errar não faz ninguém contente, 
É errando que se aprende.


quinta-feira, 24 de março de 2011

Eu acredito



Eu acredito em você 
Ainda que você não se creia 
E queira desistir de viver; 
Ainda que eu não saiba o porquê, 
Eu acredito.

Eu acredito em você 
Ainda que não haja motivo 
E nada me ajude a crer; 
Ainda que não tenha um porquê, 
Eu acredito.

Eu acredito em você 
Ainda que ninguém mais te creia 
E mesmo que eu não queira mais crer, 
Eu acredito.

Eu acredito em você 
Ainda que pareça esquisito; 
Talvez porque eu me veja em você, 
Eu acredito.


segunda-feira, 14 de março de 2011

Poetizando



Versifico as ideias, 
Poetizo desatinos. 
Alimento as quimeras 
Com meus versos imprecisos. 
Vôo acima das estrofes, 
Faço ares de deboche, 
Versejando em descaminhos. 
Não me tenho por poeta, 
Mas, se sê-lo é minha meta, 
Poesia é meu destino.


quarta-feira, 9 de março de 2011

Verso triste



Um verso triste 
Que eu não quis escrever, 
Que nem devia existir, 
Insiste em me entristecer. 
Ele resiste, 
Ficando em vez de partir; 
Faz o meu peito doer, 
O verso que eu fiz pra ti.


quinta-feira, 3 de março de 2011

Tenda dos milagres



Um homem faz milagres numa tenda, 
Vestindo umas roupas engraçadas, 
Aos pobres ele leva a riqueza, 
Aos tristes, umas boas gargalhadas; 
Aos sábios ele mostra a esperteza, 
Aos tolos, uma tolice abençoada; 
De muitos ele expulsa a tristeza, 
Em outros ele infunde as risadas. 
Há vida além das horas conturbadas 
E é isso que ele quer que a gente entenda.


terça-feira, 1 de março de 2011

Do mal que sofremos



Sofremos do mesmo mal 
Todos, cada um, cada qual 
Sentimos pena do ego, 
Amamos os nossos vícios; 
Nosso ‘bom senso’ é cego, 
Nossa razão é hospício. 
Nossas ideias são loucas 
E as poucas boas — tão soltas — 
Ladeiam um precipício.

Sofremos do mesmo mal 
Todos, cada um, cada qual 
Queremos ser os melhores 
Naquilo que não fazemos 
E o que fazemos é pobre, 
Nosso esforço é pequeno. 
Perdemos a nossa vida 
E vendo que está perdida 
Nem resgatá-la queremos. 
Nós somos tolos mesquinhos 
Seguindo por descaminhos, 
Somos o mal que sofremos.


Contribua

pensador.info

deviantART

Parceiros

Divulgue!

create your own banner at mybannermaker.com!

Copie este código para exibir meu banner no seu site:

Livros que estou lendo...

PerguntaÊ!